Fidelius RPG
Seja bem vindo(a) ao FIDELIUS RPG!!! Por favor se cadastre e em um prazo de UMA semana no máximo você será liberado(a) e fará parte do segredo.

Fidelius RPG

Hogwarts sempre ajudará aqueles que a ela recorrerem!
 
FAQInícioPortalRegistrar-seConectar-se
Conectar-se
Nome de usuário:
Senha:
Conexão automática: 
:: Esqueci minha senha
Direitos Autorais
Calendário ON



Fundadores



Protego

Compartilhe | 
 

 Casa Abandonada da Familia Tompson

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Angélica Miranda
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 18
Data de inscrição : 28/01/2012

MensagemAssunto: Casa Abandonada da Familia Tompson   Seg Fev 06, 2012 6:06 pm

Essa é uma casa abandonada, que fica ainda dentro dos terrenos da familia: Simmons & Miranda. Porém para chegar ao local é preciso atravessar uma lagoa, o local atualmente é usado para festas ou encontros...


SALÃO 1:
 
SALÃO 2:
 
QUARTO:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Angélica Miranda
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 18
Data de inscrição : 28/01/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Seg Fev 06, 2012 10:02 pm

25 de Dezembro de 1804
Horario: Manhã - 8 am
Participantes: Angélica & Stephan


O post pode conter linguagem adulta ou não =)


Última edição por Angélica Miranda em Seg Fev 06, 2012 10:03 pm, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Angélica Miranda
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 18
Data de inscrição : 28/01/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Seg Fev 06, 2012 10:03 pm

::: Flashback :::
Eu estava já cansada daquilo tudo, a farsa que continuava. Era nojento ver a forma como ela tocava ele e como ele tocava ela. Stephan havia se livrado novamente provavelmente ficando bêbado em algum canto e eu? Havia saído da mesa na hora em que ouvi minha mãe a mulher que eu mais odiava falar que seria maravilhoso ter um bebê pela casa. O que me fez recordar uma parte de minha infância em que comecei a descobrir o quão cretina ela era de verdade.
Subi as escadas em enfiando em meu quarto, batendo a porta e olhando a foto de meu pai por vários minutos, segundos. Suspirando e me ajoelhando desejando aonde quer que ele estivesse cuidasse de mim, e de Stephan de alguma forma. Assim que terminei de rezar como ele havia me ensinado caminhei até o banheiro tomando meu banho e colocando uma roupa especial, algo que eu havia comprado para dar de persisti literalmente para Stephan. Foi quando ouvi batidas suaves na porta e coloquei o robe rosa delicado e até infantil por cima da roupa que eu usava.
-Oh.. Sr Mikael… -Murmurei fingindo-me de surpresa, vendo ele entrar sorrateiramente pela porta. E me entregar uma caixa pequena com uma pulseira que parecia ter sido bem cara. Enquanto eu a admirava sentia sua mão passar pelo meu braço.
-Eu prometo que logo ficaremos juntos... Tenho certeza que Stephan te aceitaria, ele gosta de você como a uma irmã..-Falava ele e eu prendi o riso que tentava escapar por meus lábios, claro ele me amava como uma irmã, logicamente, principalmente quando estávamos na cama juntos... Claro.-Nós podíamos aproveitar um pouco amanhã... Podiamos ficar a sós... Eu seria gentil com você Minha Doce Angélica...-Novamente prendi o riso e me virei fazendo minha melhor cara de inocente, pensando nas piores perversidades pra sentir minha bochecha esquentar.
–Desculpe Sr. Mikael, mas não posso. Eu jamais poderia ficar com o Sr. Sabendo que estaria traindo minha mãe... E também, eu fui educada a me entregar apenas ao meu marido... Acho melhor o Sr ir...-Murmurei abaixando a cabeça, tentando controlar minha risada ao ver aquele homem cretino e idiota acariciar meu rosto
-EU prometo que vamos nos casar, será sua melhor noite, eu prometo...-Fala o tolo de forma apaixonada e até perversa, o que me fez tentar imaginar o que se passava na mente dele. E sentar engolir o nojo e bile que subia em minha garganta quando senti seus lábios sobre os meus, me afastando antes que ele tentasse aprofundar o beijo,a brindo a porta.
-Boa noite, Sr Mikael... Feliz Natal.-Falei assim que ele passou, trancando a porta e jogando bons feitiços nela. Sorrindo e arrancando a pulseira com raiva a colocando na caixa de jóias que ele me dava, e tirando meu robe, esperando já na cama por Stephan.
::: Fim do Flashback :::

Acordei sentindo os raios de sol entrarem pela porta da varanda que deixei aberta. E tateei ao lado da cama, sabendo já que ele não estava ali, eu nunca dormia com ele realmente após termos nossas alegrias na cama, não gostava daquela intimidade de pegar no sono ao lado de alguém. Era apenas atração física, eu não precisava de alguém me abraçando ou comigo enquanto eu queria dormir.
-Não acredito nisso...-Murmurei com raiva, em erguendo e indo lavar meu rosto e escovar meus dentes, jogando um vestido leve por cima da minha roupa especial para aquela noite, colocando uma sapatilha e aparatando da varanda do meu quarto, sentindo meus pés tocarem o chão e caminhando até a casa abandonada. -Não acredito… -Murmurei ao ver ele deitado sozinho, na cama toda desfeita. Ja imaginando com quem ele havia passado a noite, após encontrar uma calcinha rasgada da pior qualidade possível.
-Aquela vaca…-Murmurei caminhando até a cama e observando o corpo de Stephan por alguns instantes, antes de me debruçar sobre ele, beijando seu pescoço e mordendo com força seu ombro. -Você sabe que eu odeio esperar...-Murmurei em seu ouvido. Lembrando-me do presente extra que eu trazia em meu decote., e com quem ele dormira, aquilo seria muito interessante. Stephan era bom quando tinha raiva....



Roupa por baixo do vestido:
 
Quem mandou não chegar pontualmente u.u
Voltar ao Topo Ir em baixo
Stephan R. Simons
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 10
Data de inscrição : 01/02/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Ter Fev 07, 2012 12:00 am



 


UMA NOITE ESCLARECEDORA



Como era de costume, havia passado o dia longe de casa, meu progenitor me dava nojo e a mãe de Angélica também, ela era a única naquela casa que não me dava nojo, muito pelo contrário, então era normal eu passar o dia inteiro fora de casa e a noite, bem era costume de eu passar parte da noite no quarto de Angel e o resto da noite, quando eu dormia, no meu quarto, haviamos combinado de nos encontrar naquela noite, tinha bebido um pouco com alguns amigos, ia rolar uma festinha na casa abandonada, eu resolvi chamar Angelica, começariamos a noite na festa e terminariamos na cama dela.

Eu então escalei a arvore proxima a janela do quarto dela, era assim que eu entrava no quarto dela, sei que podia aparatar, mas isso poderia fazer barulho e alguém ir no quarto dela acabando com a nossa festinha, mas quando cheguei, quando olhei pela janela dela, pude entender o porque ela tinha marcado mais tarde comigo. Eu nunca cobrei dela exclusividade, mas com ele? Com meu progenitor? Não, isso era demais, o beijo deles era demais, eu não queria ver até onde eles iriam, desci da árvore na mesma hora, com nojo, nojo do meu progenitor, nojo de Angelica, não queria saber a surpresa dela, simplesmente fui para a casa abandonada peguei uma cerveja e sem dizer nada, comecei a beber, terminando minha noite com Rose, uma das garotas da festa que não tinha nenhum pudor, eu consegui momentaneamente esquecer o que vi em minha casa, praticamente desmaiando de cansaço depois que Rose foi embora.

Acordei com alguém beijando o meu pescoço e mordendo com força o meu ombro, na hora fiquei meio desnorteado e ao escutar a voz eu pensei que era Rose, querendo um repeteco, era normal isso, eu puxei ela para um abraço, ainda de olhos fechados e falei em voz baixa.

- Só cinco minutos e o tigrão estará pronto para outra Rose...

Mas ao escutar o que ela falou eu abri rapidamente os olhos vendo que aquela não era Rose, e sim Angélica, eu me sentei na cama na mesma hora, me afastando dela, por mais que Angélica sempre despertasse a parte debaixo do meu corpo, as cenas do dia anterior me faziam sentir nojo.

- É que a Rose estava bem disponível, você estava ocupada demais quando eu passei no seu quarto... - Me levantei dando de ombros e indo pegar uma cerveja. - O que foi? O velho não deu conta? Está procurando um homem de verdade agora?

Falei secamente para ela, sem olha-la procurando algo para comer, enquanto bebia a minha cerveja.



INFORMAÇÕES SOBRE O POST
FALOU COM: ANGÉLICA
CITOU: ROSE, O PAI, A MADRASTA (TODOS NPC) E ANGÉLICA
OBSERVAÇÕES: TÁ BOLADINHO


Voltar ao Topo Ir em baixo
Angélica Miranda
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 18
Data de inscrição : 28/01/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Ter Fev 07, 2012 1:27 am

Ao ouvir o tom que Stephan falou e a forma como se afasto de mim, era claro que havia algo errado. E eu entendi o que era de imediato, o que eu pretendia contar de uma outra forma acabou sendo contada por si só por imagens que ele parecia entender errado.
-Se você tivesse passado no horário combinado, eu estaria disponível e a sua espera, querido.-Falei calmamente, não que eu gostasse do pai dele ao contrario eu sentia tanto nojo dele quanto de minha mãe, ambos era horríveis. Porém antes de eu conhecer Stephan e ver que ele seria realmente meu aliado e amante é claro. Eu tive de começar por mim mesma o que eu faria...
Eu dei uma risada ao ouvir seu comentário, era sarcástico e um pouco seco, mas ainda assim me fez rir, ele realmente duvidava de minhas boas escolhas para uma noite de diversão? Em nenhuma das hipóteses o pai dele entrava no que eu poderia classificar como uma boa noite.
-Querido, eu nunca me deitei com seu pai, não que eu lhe deva satisfações...-Falei me sentando calmamente e caminhando, me ajeitando em seu colo. -Na verdade eu jamais lhe trairia dessa forma... Afinal ele é tão ou mais nojento que minha adorável mãe...-Fala baixo mordendo o lóbulo da orelha dele r rir de sua reação, se sentando na mesa de madeira perto da janela. Deixando ele ter o seu ataque, não é que Stephan com raiva ficava ainda mais sexy?
–Na verdade tudo começou quando eu ainda não te conhecia... Seu pai tem tendências para menininhas.. Ele me espiava no banho quando eu tinha 13 aninhos... E as vezes entrava no meu quarto quando ele pensava que eu estava dormindo... Pobre homem idiota...-Falei gesticulando calmamente. E pacientemente. -Eu decidi seduzir ele, na verdade ele pensa que sou virgem, tímida, e apenas aceito selinhos dele, eu jamais permitiria um beijo de verdade com esse crápula. Eu respeito sua dor, porque sei o que você sente... Eu vou enlouquecer ele... Depois por a culpa em outra pessoa e enlouquecer minha adoravel mamãe... Eles vão se matar e não terei sangue em minhas mãos...-Falei olhando pela janela e sorrindo.
-Você realmente vai ficar ai parado me olhando? Realmente, não quer ver seu presente natalino?-Questionei cruzando as pernas, sem revelar que na verdade eram dois presentes...

Voltar ao Topo Ir em baixo
Stephan R. Simons
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 10
Data de inscrição : 01/02/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Ter Fev 07, 2012 11:52 pm



 


UMA NOITE ESCLARECEDORA



Eu não estava com raiva de Angélica, eu estava era puto com ela, entendam, não somos exclusivos, ela pode ir para cama com praticamente todo mundo, se ela quiser ir com até vinte caras ao mesmo tempo, ela era livre para isso, mas não com o meu progenitor, não com aquele babaca, eu não conseguia nem olhar para ela.

- Desculpa, mas eu não sou a sobremesa querida, eu sou o prato principal e se para você é normal dividir o mesmo companheiro que a sua mãe, se isso é costume na sua família, não é na minha, não para mim...

Respondi de forma ainda seca para ela, sendo um pouco sarcástico, fui pegar algo para comer e beber, perguntando para ela se o velho não tinha tido pique necessário, provavelmente não, eu revirei meus olhos sentindo nojo dele novamente, Angélica começou a falar que nunca havia se seitado com meu pai, ao menos isso, me sentei em uma cadeira deixando ela falar sobre ele ser nojento e tudo mais.

- Não era o que parecia nessa noite...

Ela então se moveu até a mim, se sentando em meu colo, eu tentei não ficar animado com aquilo, era só eu me lembrar da visão dela com meu pai que qualquer animação ia embora completamente, mas Angélica sabia como me provocar e o fez mordendo o lóbulo de minha orelha antes de se levantar se sentando na mesa de madeira.

- Se ele é tão nojento assim, porque estava toda garotinha apaixonada com ele ontem?

Ela começou a contar como tudo tinha acontecido e eu me levantei indo até a pia, aquele babaca idiota... 13 anos, como ele pode, a cada minuto que ela falava eu sentia ainda mais nojo de ser filho dele, eu fiquei de costas para Angélica, como ela conseguia manter toda essa calma, eu acho que depois do que eu soube eu nunca mais conseguiria olhar para a cara daquele babaca, ainda bem que eu puxei a minha mãe, gostaria de nessa hora dizer que eu não tinha nada, nada dele.

A historia que Angel me contava me faria querer soca-lo, se eu o visse naquele momento, arrebentaria a cara dele, não que Angel fosse pura, mas pelo visto para ele, ela era pura, eu estava com raiva e nojo naquele momento, nem a voz sensual de Angélica conseguia fazer minha raiva naquele momento acabar.

- Eu não acredito... Eu fui adotado, eu tenho que ter sido adotado, eu não posso ter nada dele, nada... - Falei olhando para ela e bufando de raiva, quando ela me disse do presente eu tentei me acalmar. - Me fala que é a cabeça dele na ponta de uma lança...





INFORMAÇÕES SOBRE O POST
FALOU COM: ANGÉLICA
CITOU: O PAI (NPC) E ANGÉLICA
OBSERVAÇÕES: TÁ BOLADINHO


Voltar ao Topo Ir em baixo
Angélica Miranda
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 18
Data de inscrição : 28/01/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Qua Fev 08, 2012 12:42 am

Eu entendia aquele olhar que ele tinha, eu sabia como era aqui ou sentir aquela sensação, aquele nojo, subir e descer pela garganta. Eu o sentia sempre que via o pai dele, sempre que ele tentava me tocar e sempre que eu tinha de sorrir, quando na verdade eu queria matar, e acabar com aquilo para sempre. Mas eu tinha de ser forte, eu não podia ter medo ou ser insensata, não agora. Por meu pai. Apenas por ele.
-Se eu fosse e conseguisse me apaixonar por alguém, com toda certeza não seria ele... Não por um imundo que nem têm a decência de manter promessas ou respeitar alguém... O que você viu foi apenas ele tentando me convencer a viajar com ele... Um grande tolo.-Respondi com calma. Eu mantinha essa calma, eu precisava dela. Pois eu me conhecia e sabia que quando deixasse, tudo aquilo que eu guardava, que eu mantinha preso dentro de mim sair, eu perderia a razão, e eu perderia tudo, até mesmo as lembranças que eu tentava preservar em alguma parte da minha mente.
Ao ouvir o murmúrio dele sobre ter sido adotado, eu entendia o que ele sentia, eu sabia o que era aquela sensação de não acreditar que aquela coisa tinha algo a ver com a própria criação, que algo deles poderia existir em nós. Só de imaginar era repulsivo. Talvez fosse isso que eu também tentasse manter longe de minha mente, mas haviam horas ao qual eu me olhava no espelho e tentava ver algo que jamais lembrasse ela.
-Você não têm nada dele... Assim como eu não tenho nada dela... Somos mais dignos que eles.-Falei baixo olhando a janela o dia enfim começar a amanhecer de verdade, ao menos o sol saia pelas nuvens, clareando mais o ambiente e o exterior da casa cercada por mato alto e arvores. -Não… Ainda não tenho a cabeça dele pra você...-Respondi sorrindo, eu daria aquilo a ele se pudesse, mas eu havia feito uma promessa ao único homem que eu permitir sentir o amor mais puro que eu poderia sentir em vida. E eu não poderia quebrar tal promessa. -Venha aqui...-Falei estendendo a mão para ele, sorrindo quando este a segurou ainda parecendo irritado, e o puxei lentamente até mim. Tirando minha varinha que estava presa a minha perna com uma liga, e curando os arranhões que a vaca com quem ele dormira deixou.
-Eu não vou mais permitir que ele me toque... -Falei passando meus dedos lentamente pelo tórax dele e rindo com sua reação. -Na verdade eu queria mesmo era lhe castigar... Odeio quando me deixam esperando, você sabe bem... Mas... Eu prometi surpresas… Então Tem uma bem dentro…-Murmurei puxando ele mais pra mim e prendendo minhas pernas na cintura dele sorrindo e mordendo seu queixo. -Dentro do meu decote… Uma que você jamais esperaria… E que prova que Rose é mais que uma vaca vadia imunda...-Completei baixo, o encarando com um sorriso.
-Fica tranquilo… Eles.. -Falei olhando pro meu decote. –Não mordem… Apenas eu é claro.-Completei rindo. Eu não sabia como terminaria, o que começamos. Mas eu sabia que agora havia uma linha a ser seguida, e Rose de alguma forma se tornou alguém que eu queria ver castigada, humilhada, e eu conseguiria.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Stephan R. Simons
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 10
Data de inscrição : 01/02/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Qua Fev 08, 2012 3:10 pm



 


UMA NOITE ESCLARECEDORA



Eu sentia muito nojo do meu pai agora, sentia nojo de mim por ter algo dele, Angélica tinha 13 anos, como aquele crápula... Eu iria mata-lo, será que ela tinha sido a unica filha de namorada que ele tinha dado em cima, olhado, que nojo dele, eu não conseguia ter outros pensamentos, como se eu precisasse de mais um motivo para odia-lo, eu nunca mais voltaria para a casa dele, eu iria morar ali, mas não queria mais correr o risco de vê-lo na minha frente, se eu o visse, acho que perderia a cabeça e o mataria com minhas próprias mão ou morreria nas mãos dele.

Eu tinha ficado com raiva de Angélica, ela era vítima, apenas isso, se ela fazia isso era por culpa daquele desgraçado, ela não devia fazer isso, não devia se sujeitar a ele, mesmo que fosse para se vingar dele, mesmo que fosse para enlouquece-lo, ela não devia se vender daquela forma mais.

- Não faça mais isso... Não deixe ele fazer isso com você Angel... Você não merece isso, não merece que um crapula nojento daquele te toque... Olha... Eu não me importo que você venha a ter outros caras, mas ele? Você é muito melhor do que ele, ele é sujo....

A pior parte era saber que eu tinha algo dele, eu não queria acreditar nisso, eu não tinha nada dele, eu era adotado, eu tinha que ser adotado, minha mãe tinha que ter traído ele, sei lá, eu queria poder dizer que nada dele eu tinha.

- A gente vai acabar com eles e mostremos que não somos como eles Angélica...

Ela então me falou que tinha um presente para mim, eu perguntei se era a cabeça do meu pai, mas infelizmente não era, ela me chamou para me aproximar dela e eu o fiz, segurando a mão dela, ela começou a curar os arranhões que Rose havia feito em meu corpo, eu confesso que adorava quando Angélica fazia isso, sei lá, as vezes parecia que ela tinha um certo ciumes de saber que eu dormia com outras garotas, ela passou o dedo em meu torax e eu sorri para ela, principalmente quando ela me disse que queria me castigar.

Ela me puxou para perto dela me prendendo com suas pernas ao redor da minha cintura, sorrindo, se tinha algo que ela era boa, era me fazer esquecer tudo o que se passava em minha mente, eu levei minha mão em sua coxa, sentindo ela morder o meu queixo falando sobre uma surpresa e xingando Rose, eu sorri para ela.

Eu olhei para os decotes dela e vi um pedaço de pergaminho, ali, levei a mão pegando-o e olhei para ela, que fez um gesto para que eu lesse a carta, peguei a mesma e comecei a ler, vi a data da carta, era na época que minha mãe estava doente, a caligrafia era do meu pai, eu ia entregar para Angélica falando que não queria ler, mas ela me fez continuar lendo, a carta era endereçada para a Rose, a Rose vadia com quem eu tinha dormido, era do meu pai para a Rose, ele escrevia algo sobre ter adorado a noite com ela e sobre desejava tê-la para sempre, que a esposa não iria atrapalhar os planos que ele tinham, eu com raiva na mesma hora joguei o papel longe.

- Aquela... Aquela vadia, eu não acredito... com meu pai??? Ele era casado... Ela... Ela... - Eu não sabia como, só sei que naquele momento eu ja tinha me afastado de Angélica. - E... Eu... Como você conseguiu isso hein Angélica??? Tem mais alguma carta??

Eu estava ficando louco, eu estava surtando, as coisas na minha frente estavam embaçadas, aquela vadia tinha... E agora comigo... Olhei para mim, comecei a tirar a roupa rapidamente correndo para o banheiro, as mãos imundas dele tinham tocado ela e ela tinha me tocado... Eu estava imundo igual a ele naquele momento.





INFORMAÇÕES SOBRE O POST
FALOU COM: ANGÉLICA
CITOU: O PAI (NPC) E ANGÉLICA
OBSERVAÇÕES: TÁ PUTO AGORA


Voltar ao Topo Ir em baixo
Angélica Miranda
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 18
Data de inscrição : 28/01/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Qua Fev 08, 2012 5:32 pm

-Eu sei que vamos… E seremos livres.-Falei sorrindo, ambos sabíamos o que era viver um pesadelo, vivíamos e convivíamos com este desde o dia em que nos conhecemos, e que tivemos a certeza de que estávamos no mesmo barco, em meio a uma tempestade que parecia não ter fim.

::: Flashback:::
Eu estava cansada, da monotonia, e ao mesmo tempo aprendi que ficar a sós com meu padrasto ainda não era uma boa coisa. Ainda mais depois dele tentar me beijar de forma afoita e eu ter saído correndo, e daquela vez eu não fingi, eu tive um certo receio ou talvez medo. Já estava anoitecendo e eu continuava sentada perto do lago, até ouvir passos atrás de mim e virar minha cabeça vendo Stephan se aproximar.
-Cansou de ver os pombinhos se agarrando também?-Questionei vendo ele se sentar ao meu lado. E continuei a olhar o lago. -Te entendo, eles são nojentos.-Murmurei rindo da resposta dele. Eu sabia que ele estava do meu lado, eu tive essa certeza no mesmo instante que o vi, em que ele foi ao meu quarto conversar durante a noite, e na primeira vez que ele me beijou. Meu primeiro beijo que eu jamais confessaria a ele ter sido com ele. Logicamente depois com o amigo dele, que o mesmo me apresentou em uma festa.
-Quando vai ter outra festa?-Questionei tirando um maço de cigarro da minha bolsa, e dando um a ele e pegando outro, acendendo e tragando calmamente. Rindo da resposta dele atrevida, e o empurrei na grama ficando por cima dele e beijando seu queixo e bochechas. -Eu sempre vou querer festejar com você, grande tolo.-Murmurei o beijando lentamente, sentindo ele me puxar mais pra si. -Nós vamos acabar com eles...-Murmurei, ouvindo ele concordar e segurar meu rosto, o que me fez o encarar, e ele falou a única coisa que me fez acreditar realmente em um pós minha vingança estar concluída. Pois antes eu não acreditava. Ele prometia que seriamos eu e ele contra todos, independente de qualquer coisa.
-Sempre, enquanto respirarmos.-Falei o encarando séria, aquilo eu podia prometer. E quando dei por mim ele me erguia no colo e pulava comigo no lago, e eu gargalhei, o tacando água, e voltando a beijar ele. Não era amor, não era paixão, era algo além disso. Era companheirismo, ele talvez fosse ancora que eu precisasse pra sair da deriva de meus próprios e pensamentos.
::: Fim do Flashback :::

Assim que ele pegou a carta em meu decote eu sorri, notando que ele começou a ler esta e pretendia me devolver, e acenei para ele continuar. Ele sempre se questionou se fora o próprio pai o responsável pela morte da mãe dele, e aquilo provaria e lhe daria essa resposta. Ao menos eu poderia dar isso a ele, além de fazer ele esquecer dos próprios pesadelos e problemas, da mesma forma que ele fazia comigo.
-Calma Stephan… Você sempre me disse para ter controle...-Falei ao ver sua reação ao ler a carta. Notando sua revolta, e em certa parte mesmo evitando demonstrar eu gostei que ele soubesse quem era a Rose de verdade, que ele também visse que ele próprio fez algo com alguém que não merecia, pois eu nunca me importei que ele se deitasse com outras garotas, mas eu exigia apenas que fossem ao menos um pouco, no mínimo descentes e ele também. E uma das coisas que eu menos suportava era ele deixar de ir me ver ou ficar comigo por causa de uma delas. Eu não aceitava isso, da mesma forma que ele não aceitava, a diferença? Ele agia, quebrando algo, gritando, me sacudindo, e eu, de outras formas...
Observei ele ir para o banheiro e desci da mesa, caminhando lentamente e parando na porta dele, observando ele arrancar as roupas e entrar no banho, esfregando o corpo. Ao menos ele estaria limpo para mim. Me desencostando da porta e abrindo com minha varinha um velho baú que mantínhamos ali, tirando uma poção shampoo de lá, caminhando até o Box.
–Shiu, se vire, eu vou cuidar de você...-Falei o virando e passando o produto nos cabelos dele, massageando e arranhando o couro cabeludo dele, e deixando ele enxaguar este, enquanto eu me afastava pegando uma toalha e me sentando em uma cadeira observando ele tomar o resto do banho. -Seu pai me levou na sua antiga casa...Para me mostrar onde viveriamos, nosso quarto...-Despejei, vendo ele quebrar o vidro da poção e suspirei, notando seu olhar em mim. -Eu não permiti que ele me tocasse lá, eu jamais faria isso, por respeito a você e sua mãe... Que era linda, eu vi uma foto dela...-Falei séria o encarando e cruzando as pernas. -Há um cofre nas masmorras da casa, onde ele guarda varias coisas interessantes, entre elas isso, e meu anel de noivado... Você poderá ter em suas mãos toda a prova que ele matou sua mãe, com veneno a base de mamona,.. Fazendo ela parecer doente, já que dava pequenas doses... Mas não faça nada...-Falei com nojo. -Há uma senha, que nada mais e nada menos que 5 números, que são os números do seu cofre do banco no Beco diagonal.-Completei dando a ele o presente que eu queria, o acesso ao cofre, a verdade.
-Não faça nenhuma loucura ou estupidez.-Avisei séria erguendo a toalha pra ele se enrolar. -Você terá sua vingança e eu a minha...-Falei o encarando e me erguendo o abraçando e passando as mãos nos seus cabelos molhados. -Só temos que ser pacientes, e agora eu tenho em quem dirigir o foco do seu pai, e ele me deixará em paz... Mas temos um porém... minha adorável mãe desconfia de nós dois, e sugeriu que não é descente que passemos tanto tempo juntos pois somos irmãos... E em breve iremos ter o mesmo sobrenome... Você sabia disso? -Questionei arranhando com minhas unhas suas costas lentamente. -E a propósito, mande seu amigo Jonas, para de me mandar bombons e flores e me chamar de meu amor... Eu não sou o amor dele nem de ninguém... Sei lá apresente alguma mulher a ele...-Falei dando os ombros eu não me importava realmente.


Voltar ao Topo Ir em baixo
Stephan R. Simons
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 10
Data de inscrição : 01/02/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Qua Fev 08, 2012 7:57 pm



 


UMA NOITE ESCLARECEDORA



Angélica tinha um presente para mim, uma carta, ao ver a letra de meu pai eu ia devolve-la, não queria nada vindo daquele idiota, mas Angélica insistiu para que eu lesse, e ao ler, eu não sei se preferia não ter lido, ou não, eu perdi a cabeça na hora e ainda bem que Angélica estava ali para me impedir de ir fazer algo contra Rose ou o meu pai.

- Calma???? Calma???? ME DIGA COMO TER CALMA AO SABER QUE AQUELA PROSTITUTA ESTAVA DANDO PARA MEU PAI QUANDO ELE AINDA ERA CASADO?!!!!!!!

Falei gritando com Angélica, e eu tinha dormido com aquela vaca essa noite, eu fui para o banheiro, me sentia sujo, imundo, fui tirando a roupa pela casa, Angélica não veria nada que já não tivesse visto e naquele momento eu tinha mandado o pudor para bem longe, entrei no chuveiro e comecei a esfregar com força o meu corpo, deixando minha pele vermelha, eu queria tirar qualquer lembrança daquela vaca de mim, ela ia se ferrar comigo, eu ia acabar com ela, Angélica se aproximou de mim no banho, me fazendo virar de costas e passando o shampoo no meu cabelo, assim que ela terminou de passar o shampoo eu esfreguei mais a minha cabeça, se eu não gostasse tanto dos meus cabelos, eu iria raspa-los naquele momento, depois enxaguei meu cabelo e o corpo, novamente eu me esfreguei escutando Angélica falar.

Quando ela falou sobre onde meu pai a havia levado, ele ia leva-la para morar na casa da minha mãe, profanar o quarto dela? Eu quebrei o vidro poção com raiva, ele não podia fazer isso, ele já devia ter profanado aquele lugar antes com outras mulheres, pois nem todas eram como Angélica.

- Ele deve tê-la enfeitiçado para ficar com ela, ela era linda, era a mulher mais linda que andou sobre a terra... A única explicação de ele ter conseguido ela, é que ele a enfeitiço.

Eu falei com raiva, meu corpo todo tremia de raiva daquele desgraçado, não bastava o que fez a minha mãe em vida, tinha que desrespeita-la depois de morta também? Eu não acreditava nele, definitivamente não acreditava. Escutei o que Angélica falava sobre o cofre nas masmorras, tentando me focar nisso, sobre o cofre, qual era a senha do cofre, antes de mata-lo, eu ia mostrar o que eu sabia, eu o mataria lentamente e dolorosamente, ia ver toda a dor que ele causou a mim e a minha mãe, como aquele desgraçado teve coragem de mata-la? Eu não tinha palavras para descreve-lo naquele momento. Terminei o banho, me enrolando na toalha que Angélica me entregou.

- Eu farei o possível para me controlar, acho melhor ficar aqui até a hora de voltar para Hogwarts, eu não sei se conseguiria olha-lo.

Respondi a Angélica com sinceridade, ele não notaria a minha falta mesmo e assim evitaria de mata-lo antes da hora, Angélica então me abraçou levando as mãos ao meu cabelo, falando sobre o que tinhamos que fazer e eu ri de sarcasmo quando ela falou sobre termos o mesmo sobrenome.

- Idiota... Ela acha que um nome o fará fiel? Podemos brigar, não sei... Uma encenação, eu discuto com você aos gritos em casa e saio de casa, assim arranjo uma desculpa para ficar longe de casa sem ser incomodado e ela vai ficar mais tranquila.

Eu começava a recuperar minha sanidade e pensar com mais clareza agora, quando ela falou do Jonas, aquela forma patética de ser vivo, eu ri novamente, eu tinha dito para ele não se apaixonar por Angélica.

- Verei o que faço... Agora... Eu pude ver uma parte da roupa que você está por baixo, que tal me deixar ver o resto?

Agora eu tinha voltado a ser eu mesmo e dei um sorriso malicioso para ela, a puxando para um abraço beijando-a.



INFORMAÇÕES SOBRE O POST
FALOU COM: ANGÉLICA
CITOU: O PAI (NPC) E ANGÉLICA
OBSERVAÇÕES: NADA A DECLARAR


Voltar ao Topo Ir em baixo
Angélica Miranda
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 18
Data de inscrição : 28/01/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Sex Fev 10, 2012 1:45 pm

A over a explosão de Stephan por alguns instantes me fez recordar quando eu e ele tivemos a primeira briga, uma das mais feias na verdade, e nem ao certo sabíamos o motive de estar gritando um com outro realmente, talvez fosse o excesso de bebida que tínhamos ingerido...
-Querido talvez essa seja a droga do matrimonio, quando se casa, se trai... Por isso não me casarei, assim nunca vou trair alguém realmente.-Falei dando os ombros, afinal se faziam promessas deveriam cumprir, eu sempre cumprira as minhas por mais filha da puta literalmente que eu fosse.

::: Flashback :::
Eu nem ao certo sabia o que estava fazendo realmente, mas ao ouvir Stephan berrar comigo me deixou extremamente irritada me fazendo tacar nele a primeira coisa que estava perto, no cavo um velho vaso já rachado, afinal se já estava rachado, não era algo tão prejudicial assim, no Maximo racharia um pouco a cabeça dura dele.
-Ahhh claro, eu deveria ficar lá sentada, enquanto você se divertia... Não posso fazer nada se você foi um frouxo, que não tomou a iniciativa, seu amigo foi mais rápido o que fazer? VOCÊ TÁ MALUCO INFELIZ?-Berrei ao sentir um feitiço passar perto do meu rosto. Ele queria guerra? Logo tirei minha varinha e taquei um feitiço nele, vendo o rosto dele sangrar.
-Eu falo o que quero...-Retruquei nem ai pra expressão dele, não sei como mas depois caímos embolados no chão, me imobilizando e eu só ouvi o som do tecido se rasgar enquanto eu ria, prendendo ele com minhas pernas. -E quanto a jamais fazer com alguém bêbada, querido?-Questionei o arranhando sem piedade, rindo da frase dele: eu também estou, foda-se.
::: Fim Do Flashback :::


Desde então era assim quando tínhamos nossas brigas, de alguma forma elas sempre terminavam na cama, no chão, no mato... E de alguma forma por mais que ele me olhasse de forma assassina às vezes, ou eu visse que ele poderia um dia concretizar qualquer coisa sanguinária eu não o temia. Talvez eu devesse, mas não temia, pois eu sabia que assim como ele eu poderia fazer coisas também muito piores e dividíamos uma tênue linha entre nos tornarmos assassinos ou não.
-Você sabe muito bem como terminam nossas brigas, acho que vou adorar encenar uma, desde que a finalização dela não seja apenas encenação.-Falei lhe lançando um olhar malicioso. Como sempre fazia quando queria dar a entender ao que realmente me referia. E comecei sobre Jonas o amigo dele patético que dizia-se agora apaixonado por mim, e me enchia de flores e declarações que me embrulhavam o estomago. Gargalhando quando ele me puxou para um beijo.
Enfiando minha mão por entre os seus cabelos, os puxando sem piedade, eu ainda não havia realmente o desculpado, e não o faria tão cedo. Ele sabia disso, eu era um tanto vingativa além do limite correto, e retribui o beijo aprofundado este, e me afastando depois sorrindo maliciosa.
-Eu não acho que você merece esse presente... Talvez eu deva pedir pra alguém desembrulhar ele e aproveitar...-Falei caminhando para fora do banheiro calmamente. Rindo ao sentir ele a puxar, e gargalhando alto com a frase dele. -Quanto egoismo…-Falei me soltando dele e abrindo meu vestido calmamente, deixando ele cair no chão e o encarando. -Espero realmente que você dê conta do seu presente...-Murmurei o encarando, e conforme ele se aproximava eu dava um passo pra trás rindo me divertindo com aquilo, notando os arranhões que eu havia feito nele. E gostando daquilo. Era estranho aquela possessividade que ocorria algumas vezes, não só comigo mas com ele também. Porém pouco pensava sobre isso, afinal haviam outras coisas a se pensar...
-Alguem aqui está com pressa ou apenas bem alegre?-Provoquei olhando literalmente para abaixo da cintura dele. Afinal eu realmente gostava das manhãs de natal...


Voltar ao Topo Ir em baixo
Stephan R. Simons
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 10
Data de inscrição : 01/02/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Dom Mar 11, 2012 3:02 pm



 


UMA NOITE ESCLARECEDORA



Eu estava muito puto com o que li na carta que Angelica me deu, uma troca de cartas entre meu pai e Rose, a mesma Rose vadia que tinha passado a noite comigo, ele havia traido minha mão com ela, eu nunca entendi como minha mãe aceitou ele, talvez ele tivesse enfeitiçado-a e ela engravidou e para não ficar como mãe solteira se casou com ele, porque ela era uma mulher linda, era linda demais para ele, ela não teria ficado com ele por livre escolha, com certeza aquele babaca fez algo e depois a traiu, eu ia mata-lo agora que sabia que ele tinha causado a doença dela e a morte.

Começamos a conversar sobre outras coisas para eu me distrair e me acalmar, ela comentou sobre a ideia de termos todos o mesmo nome, coisa da cabeça da mãe dela e falou sobre a minha proximidade com Angélica e a preocupação dos nossos pais, eu ri daquele comentário, eles não faziam ideia de como eramos próximos e então disse para simularmos uma briga hoje e eu passava os demais dias ali como se estivesse puto com ela, pois assim teria uma desculpa para ficar fora de casa, já que estava puto demais com meu pai para ficar na mesma casa que ele.

- Eu nunca consigo encenar uma coisa dessas com você Angélica, espero que a reciproca seja verdadeira...

Eu disse sorrindo sabendo bem do que ela falava, foi quando ela comentou sobre o Jonas, ele era patético, eu já tinha falado para ele que Angélica era diferente, para ele tira-la da cabeça, mas quem disse que ele me escutava? Eu a puxei em um beijo, estava com saudades e ela tinha me prometido uma noite, além de que eu queria ver qual seria meu presente de Natal.

- Ninguém vai abrir o meu presente, apenas eu. - Disse vendo ela se soltando e abrindo o vestido, mostrando qual era o meu presente, eu fui na direção dela - Pode ter certeza que darei conta do meu presente. - Enquanto eu me aproximava dela, ela se afastava. - Você vai descobrir logo....

Eu disse com um sorriso maroto e fui na direção dela encurralando-a na parede e a beijei no pescoço acareciando o seu corpo, aquele seria um Natal muito bom.



INFORMAÇÕES SOBRE O POST
FALOU COM: ANGÉLICA
CITOU: O PAI (NPC) E ANGÉLICA
OBSERVAÇÕES: MALZ A DEMORA, AÇÃO DO STEPHAN FINALIZADA POR ENQUANTO, QUALQUER COISA EU EDITO.


Voltar ao Topo Ir em baixo
Angélica Miranda
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 18
Data de inscrição : 28/01/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Sex Jul 27, 2012 12:54 pm

DIA 30 DE JULHO
23 HORAS

RP fechada

Stephan & Angel
Voltar ao Topo Ir em baixo
Angélica Miranda
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 18
Data de inscrição : 28/01/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Sex Jul 27, 2012 12:55 pm

Abri os olhos olhando pro lado, continuava deitada na cama, sem sequer entender como realmente fora levada pra lá. Somente me recordava de ter brigado feio com a mãe, depois da dor que senti, forte, incontrolável e da mãe parada a olhando falando pra ela, por pra fora logo a criança. E então tudo fez sentido, ela colocou algo na comida, suco, em algo. E ela estava perdendo o bebe. Este que ela sequer contara para Stephan ainda. Eu Não sabia como contar, não que tivesse medo da reação dele. Não se importava, teria a criança, cuidaria dela como meu pai cuidou de mim antes de morrer.

Ouvi o som de uma cadeira ser arrastada, e passos, e apenas ergui os olhos, reconhecendo a face fechada de Stephan a encarando. Eu conhecia aquela face, aquela expressão. Ele tinha raiva, ele estava irado. Mas controlado, talvez por estarmos no Saint Mungus, apenas por isso provavelmente. E vi a medica entrar, falar do aborto, era um pesadelo. Era isso. E ela me liberar, onde eu peguei minhas coisas, me troquei, sem me importar com os olhos dele em mim. E sai sendo puxada por ele, eu sentia o seu aperto em meu braço. Mas não me preocupei. Ele não me faria mal...

-Como você me achou?-Perguntei quando chegamos na nossa cabana. Me sentando na cama e vendo que ele lia um pergaminho. -Eu to falando com você, notou?-Questionei irritada, vendo a fúria ali nos olhos dele de novo. Sua fala ríspida e grossa. -Porque queria fazer sexo? Como você é gentil querido.. Espero que não tenha me usando enquanto eu sangrava, deve ser nojento... -Falei sem pensar. E quando percebi ele me segurava forte, berrando, antes de me jogar na cama. Fúria novamente. E eu então notei eu falei demais.

-Eu sinto…-Tentei mas ele aparatou me deixando ali. E Foi assim que eu me vi deitado na cama, abraçada a mim mesma, pela primeira vez sentindo falta de alguém me abraçar e querer cuidar de mim. E eu chorei, pelo menos sozinha eu podia chorar, algo que eu havia prometido não mais fazer....

–Me deixe… Por favor…-Murmurei sonolenta sentindo alguém me sacudir e abri os olhos me deparando com Stephan a segurar um cálice, me dando uma poção. E apenas bebi, sentindo o cheiro de comida? Olhando pra mesa vendo uns pratos ali, e o que aprecia ser comida. Ele tinha cozinhado? -Vá embora.-Falei seca, eu deveria estar grata, mas não era o que eu sentia, eu me sentia fraca, vulnerável e ninguém deveria me ver assim, era vergonhoso. Eu apenas queria me recuperar e me vingar, eu acabaria com minha mãe, eu acabaria com ela.

-Estou otima, apenas perdi meu bebe, sangrei um pouco, senti uma dor deliciosa me comendo por dentro e por fora... Estou ótima, quer fazer sexo? Talvez devêssemos pra aproveitar a noite melhor...-Falei abrindo os botões da camisa dele. Eu não seria fraca. Eu não deixaria ele me ver como fraca.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Stephan R. Simons
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 10
Data de inscrição : 01/02/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Sex Nov 09, 2012 11:24 pm



 


A DESCOBERTA



Eu fui procurar por Angélica e o que eu descobri? Que ela estava no St. Mungus, fui para lá preocupada, com receio do que poderia acontecer, foi então que soube que ela teve um aborto, abortara um bebe que eu não sabia que existia, esperava que ela não soubesse, de verdade, ou ela teria que ter uma ótima explicação para não ter me contado, no hospital fui para o quarto que ela estava, não falei nada com ela, eu sabia que se eu falasse algo eu iria explodir, por isso apenas a olhei, era o suficiente para ela saber como estava com raiva.

A médica a liberou e assim que ela se trocou, eu apenas a segurei pelo braço e a puxei para onde podiamos aparatar, ainda sem nada falar com ela, aparatei com ela na nossa cabana, puxei uma cadeira e comecei a ler o pergaminho do hospital falando o que tinha acontecido e os cuidados que ela teria que tomar, escutei ela se dirigir a mim, mas eu não estava pronto para falar com ela, não se eu não quisesse perder a cabeça com ela, mas Angélica pelo visto não notara a fúria em meus olhos e refez a pergunta.

- Eu queria fazer sexo com você, te procurei e soube que você estava no hospital, respondida a pergunta?

Falei sem dar muitas voltas, escutando ela então vir com ironia para cima de mim, falar sobre eu a usa-la, eu estava no meu limite e naquele momento não me controlei, eu fui para cima dela e a segurei pelo braço.

- EU NUNCA TE USEI SEM VOCÊ QUERER E SEM VOCÊ GOSTAR!!!! É MELHOR VOCÊ FICAR QUIETINHA, QUE VOCÊ É A ERRADA AQUI, NÃO EU!!!! VOCÊ NÃO ME CONTOU QUE ESTAVA GRÁVIDA. ENTÃO ANGÉLICA, FICA QUIETA, PORQUE EU JURO QUE ESTOU ME ESFORÇANDO PARA MANTER A MERDA DO MEU CONTROLE!!!!

Eu a assustei, percebi isso, mas não me importava com isso no momento, a soltei e aparatei, se ficasse com ela ali, acabaria fazendo algo que me arrependeria depois, era melhor eu sair dali para me esfriar.

Passou um certo tempo até que eu conseguisse descontar toda a minha raiva, e pensar direito, eu comprei algumas coisas, que ela deveria comer para melhorar depois do aborto, eu estava com raiva de Angélica, queria esgana-la, mas agora era hora de cuidar dela, porque se dependesse de meu pai e da mãe dela, com certeza ela iria continuar doente.

Fui para a cabana onde ela ainda estava e com um livro de receitas eu comecei a cozinhar, eu não era um mestre na cozinha, mas sabia fazer algo, assim que a comida estava pronta eu coloquei a mesa e separei a poção que tinha preparado para ela, então levei até a cama balançando-a.

- Acorda e toma isso, vamos.

Falei um pouco seco e ela aceitou a poção, me mandando ir embora logo em seguida, Angélica sempre muito gentil, mas eu não iria embora, iria cuidar dela para depois poder brigar com ela.

- Como você está?

Perguntei ignorando a grosseria dela de me mandar ir embora, foi então que ela veio novamente com grosseria e ironia, falando em fazermos sexo, se aproximando de mim e abrindo a minha camisa, eu tirei as mãos dela e segurei os braços dela.

- Você quer realmente que eu seja estupido com você? Por você ter escondido que estava grávida e por estar sendo uma idiota comigo? Eu posso ser esse monstro, mas não vou ser agora, não com você doente. Agora você vai se sentar nessa cadeira e comer tudo o que coloquei no seu prato e não vai reclamar, porque caso contrário eu te enfeitiço e faço você comer contra a sua vontade e nem adianta que eu guardei sua varinha. Então para de ser babaca, se sente e come e aproveite que eu ainda estou calmo e não vou te estrangular enquanto come. Quando você estiver melhor, aí minha cara, teremos uma longa conversa, aí eu serei esse estupido que você tanto quer que eu seja.

Disse puxando-a até a mesa, fazendo ela se sentar e me sentando na frente dela pegando meus talheres e olhando para ela.

- Agora, come!




INFORMAÇÕES SOBRE O POST
FALOU COM: ANGÉLICA
CITOU:ANGÉLICA
OBSERVAÇÕES: FINALMENTE POSTEI... ><


Voltar ao Topo Ir em baixo
Angélica Miranda
Aluno(a) Sonserina
Aluno(a) Sonserina
avatar

Mensagens : 18
Data de inscrição : 28/01/2012

MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   Qui Nov 15, 2012 1:24 am

"...If my life is the price, then my life it will cost..."
Algumas coisas jamais deveriam acontecer. E eu ter ficado gravida de Stephan era uma delas. Eu sabia que era dele o bebê que eu havia perdido. E eu tinha meus motivos pra ter essa certeza. Mas mesmo assim, eu queria aquele bebê e talvez por eu tanto o desejar, eu o tivesse perdido. Mas também havia um outro ponto nessa história que se resumia a minha mãe, ela sabia. Provavelmente pensava que era do marido imprestável dela. Não me importava, ela havia feito novamente eu perder algo que eu tanto amava. Me encolhi mais na cama, me abraçando enquanto a cabana caia no silencio. Até Stephan retornar e me sacudir, me fazendo tomar algo que ele havia preparado. O que fiz roboticamente.

Eu não era um poço de paciência, muito menos de delicadeza. E logo novamente veio a minha tempestade que dessa vez, pela primeira vez não se chocou com a dele. Ao contrario. Stephan estava calmo, não pacifico, mas apenas calmo, ainda longe da real tempestade que ele era. E me fez me sentar na mesa e comer. Falando que depois que eu estivesse melhor conversaríamos. Eu não queria conversar. E muito mais falar sobre o que ocorreu. Esquecer e ignorar o que eu sentia era o melhor. Eu haveria de me vingar depois, e descarregar minha fúria e indignação depois. Não agora. Eu nesse momento só queria ficar sozinha, pois somente dessa forma eu poderia fazer a única coisa que eu desejava naquele momento: chorar e gritar com o nada. Mas eu não poderia fazer isso com ele ali. Senti ele bater na mesa, me tirando de meus pensamentos e voltei a comer, lentamente, sentindo aquilo descer como areia. E meu estomago se revirar lentamente.

-Não aguento mais.-Falei empurrando o prato. –Se eu comer mais, pegue um balde, porque irei por tudo pra fora.-Avisei me erguendo da mesa e voltando pra cama, ignorando ele por alguns instante e me enrolando nas cobertas. Eu sentia frio, eu só queria dormir. E foi isso que fiz, eu adormeci novamente. Eu senti ele me acordar e me dar mais algum remédio o que tomei e me virei de novo para lado. Por alguns instantes eu sonhei que alguém mexia em meus cabelos. Algo que lembrou o tempo em que meu pai era vivo, e sempre fazia isso comigo quando eu tinha medo de algo ou quando ele sentia que eu estava triste e isso sempre me acalmava e me fazia ter bons sonhos, afastando então meus pesadelos.

Depois de um tempo eu acordei com um cheiro estranho, parecia até mingau e senti Stephan me acordar. E me sentei sonolenta e cansada, era como se meu corpo pesasse mais do que eu conseguia controlar. E encarei a caneca que ele me estendia, leite achocolatado grosso. E assoprei esta vendo a fumaça sair da caneca, mas sem beber este ainda. Olhando para o homem parado me encarando, e respirei fundo.

-É melhor você por pra fora...-Falei bebendo o liquido quente, que me aqueceu por dentro e suspirei, ainda sentindo frio puxando mais as cobertas pra mim. Ouvindo sua irritação ainda um pouco controlada. -Eu descobri anteontem... Eu ia te contar no dia que você me achou no Saint Mungus.-Respondi sem o encarar. Eu não queria falar sobre aquilo.

-O que você quer que eu diga? Que eu quis isso? Não eu não quis, independente da cadela que você ache que sou, eu não mataria uma criança.-Falei entre os dentes com raiva dele. -Pare de agir como um corno… Logico, é como se eu tivesse te traido, qual parte do: EU NÃO SABIA ANTES, você não entendeu? -Berrei colocando a caneca no criado mudo. -Era seu. -Respondi a sua pergunta de forma seca. Dando uma risada sem graça, na verdade era uma risada irada. -Eu sei que era… E meus métodos de saber só cabem a mim. E não a você, e depois, não há o que discutir, eu perdi o bebê...-Falei não querendo mais responder nada. Eu queria ficar sozinha, será que ele não conseguia ver isso? Eu sabia o que ele desejava, saber como aquilo ocorreu, e eu também sabia que ele perderia o controle e eu queria ter minha vingança.

-O que você quer pra me deixar em paz? Quer fazer sexo? Se é isso venha logo, faça e depois vá embora... Eu não preciso de você, eu não preciso de ninguém, eu só quero ficar sozinha.-Falei o encarando com raiva. Eu não conseguia ser mais tão irônica, nem mesmo tão feroz como costumava ser. Eu havia voltado a uma fase que eu não queria mais recorda, a era das incertezas e medo. Eu não queria rever essa face no espelho, eu precisava novamente ser forte, eu precisava agora não mais vingar uma pessoa e sim duas. E depois eu poderia sim me permitir ser quem quer eu desejasse... Mas não hoje.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Casa Abandonada da Familia Tompson   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Casa Abandonada da Familia Tompson
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Família Zarek
» Casa Abandonada.
» [Game Of Thrones] Teste qual a sua casa.
» Ateh quim fim coloquei Net Na minha casa!!!!
» A casa do terror

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Fidelius RPG :: POSTS 6º ANO :: Residência - Mundo Bruxo e Trouxa-
Ir para: